Serafim Vieira Nunes

Serafim Vieira Nunes é natural de Castelo de Paiva. O seu pai era mineiro e a mãe, doméstica.
Serafim estudou até aos 14 anos de idade, quando começou a trabalhar, no Porto.
Trabalhando no sector da restauração, relata as más condições de trabalho, que o fizeram mudar para o sector do comércio.
Em 1962 começou a trabalhar em São João da Madeira, passando por vários
estabelecimentos de comércio e restauração. Seguindo o exemplo de vários amigos, começou a ser operário fabril, inicialmente, na Molaflex e, depois, na Flexipol.
Quando regressou da Guerra Colonial, em 1972, começou a trabalhar na Oliva, onde já trabalhava a sua mulher, fixando-se no sector da produção de torneiras.
Recorda a melhoria dos direitos laborais que a Revolução de 25 de Abril de 1974 trouxe, apesar de também relatar as grandes convulsões que aconteceram na empresa.
Tal como muitos familiares, Serafim emigrou para a Suíça, em 1984, onde trabalhou na construção civil.
Sublinha a importância da Oliva para o desenvolvimento da região e para a sua população.

0:00 – Informação biográfica
0:21 – Pais
0:42 – Emigração
1:03 – Educação
1:11 – Trabalho
1:30 – Vida no Porto
2:59 – Condições laborais
3:10 – Comércio
5:17 – Retorno a Castelo de Paiva
5:39 – Mudança para São João da Madeira
6:20 – Trabalho fabril
7:28 – Serviço militar e Guerra Colonial
7:48 – Trabalho na fábrica da Oliva
9:56 – Dificuldades financeiras e incumprimentos na Oliva
10:11 – Saída da Oliva
10:21 – Emigração
10:27- Revolução de 25 de abril de 1974 e lutas laborais
12:36 – Produtividade
13:18 – Situação financeira da Oliva
14:43 – Importância da Oliva para a região
15:26 – Entrada na Oliva
15:43 – Gestão da Oliva
16:20 – Reivindicações laborais
16:54 – Saída da Oliva e retrospetiva
17:21 – Emigração
19:06 – Integração
20:00 – Emigração da família
21:06 – Integração
21:34 – Trabalho fabril
21:48 – Retorno a Portugal
22:15 – Problemas de saúde e reforma
22:52 – Trabalho fabril