Piedade Rodrigues

Piedade Rodrigues (1962) nasceu em Paradela e aos 16 anos decidiu ir para Espanha trabalhar. Saiu clandestina e sem a autorização da família, mas motivada pela perspetiva de autonomia financeira e melhores condições de vida. Foi trabalhar para casa de uma família, da qual já levava referências, e ai permaneceu durante um ano. O salário baixo e a pressão de familiares que já se encontravam em França, levaram-na a procurar novas oportunidades na zona de Paris, onde chegou aos 18 anos. Não conhecia a língua, nem os hábitos, mas a rede familiar existente permitiu-lhe trabalhar durante seis anos consecutivamente, sempre em casas de família, assegurando as tarefas domésticas e cuidando dos filhos. A legalização nunca chegou a concretizar-se, mas uma das famílias para as quais trabalhou procurou formalizar a sua situação no país. Foi consolidando a sua rede de contatos, trabalhando em várias casas e conseguindo garantir o valor necessário para construir a sua casa em Paradela. Regressou a Portugal para casar, não voltando a sair do país. Recorda com alegria os tempos que passou em Paris, as amizades feitas e as atividades culturais e de lazer promovidas entre a comunidade portuguesa.

00:22 – Saída para Espanha

05:46 – Trabalho em restaurante

06:21 – Saída a salto

06:38 – Motivações para a saída

07:31 – Condições de trabalho em Espanha

09:29 – Motivações para a ida para França

10:02 – Condições de trabalho em França

34:57 – Início da construção da casa em Paradela

35:27 – Tentativas de legalização

40:27 – Envio de dinheiro para Portugal

42:41 – Chegada da irmã a Paris

43:11 – Regresso a Portugal

43:46 – Primeira experiência no metropolitano parisiense

45:16 – Encontros da comunidade portuguesa em Paris

45:59 – Atividades culturais da comunidade portuguesa

48:11 – Poupanças