Maria José Monteiro

Natural de Aveiro, Maria vem para a Lagoa de Óbidos com a família para trabalharem na cozedura do tijolo. iniciaria a vida de trabalho como empregada agrícola, só após o seu casamento começaria a trabalhar na pesca. Maria, conta como de uma vida agrícola passaria para uma vida pesqueira, e a sua especialização na produção de redes, bem como os seus usos (sazonais e para tipo de peixe). A vida dividia-se em cuidado familiar e necessidade de subsistência – Maria, lembra a necessidade de equilibrar estes aspetos, entre os seus filhos, o marido, e a pesca. Emigra para o Canadá, onde contactaria com diversos portugueses, também vindos das Caldas da Rainha, mas regressaria três anos depois – aqui recorda as mudanças de perceção que outrora tinha da Lagoa e como esta foi-se alterando com o tempo.

00:00 – Relação com a Lagoa, a Pesca

00:20 – Informação biográfica

01:00 – O ofício dos Pais na Lagoa

01:15 – Início da vida de trabalho na agricultura

01:30 – Residência dos Pais

01:39 – Casamento de Maria e início da vida adulta

01:59 – A Pesca e o Marido

02:40 – O fabrico de redes de pesca

03:17 – A vida marítima da Lagoa

03:39 – O trabalho do pai

04:20 – Trabalho de mãe e de pescadora

04:55 – O transporte e venda do peixe

05:52 – A demografia

06:13 – Tipo de marisco

06:58 – O peixe enquanto gastronomia

07:39 – Memórias da Pesca

09:28 – Acidentes na Lagoa

09:39 – Os filhos

10:35 – Emigração para o Canadá

11:40 – O regresso às Caldas

12:10 – Mudanças na Lagoa

12:26 – Licença de pesca

13:00 – Razões de ida para o Canadá

14:10 – A comunidade portuguesa no Canadá

15:05 – Novas perceções da Foz

15:44 – Produção de redes

18:10 – Utensílios de pesca

18:30 – Ocasião do uso das redes

18:50 – A pesca no Inverno

19:12 – Os diversos trabalhos de Maria

19:30 – Campos e fazendas agrícolas

20:08 – O cuidado dos filhos

20:25 – A residência na Lagoa

20:36 – As árvores e plantas

21:15 – Criação de patos