Maria da Encarnação Campos

Maria da Encarnação Campos é natural da aldeia de Bemposta. Toda a sua família é natural da aldeia, com exceção do marido, natural de Portalegre. Conheceram-se quando o marido se mudou para a aldeia, para trabalhar como motorista na construção da Barragem da Bemposta. Teve 5 filhos, estando 2 emigrados em França. Frequentou a escola da aldeia até à então 3ª classe, mas teve de abandonar os estudos para ajudar os pais na agricultura e na moagem de cereais, nos moinhos da família. Já adulta, assumiu a gestão do estabelecimento de comércio da mãe, junto ao mercado da aldeia. Tem memórias dos contrabandistas na aldeia, e dos confrontos com as polícias portuguesa e espanhola. Recorda a troca de pano e café. Recorda as festas da aldeia, com gaiteiros, pauliteiros e músicas tradicionais, e a tradição da Encomendação das Almas, na Festa a Nossa Senhora dos Prazeres.

0:00 – Informação biográfica

0:12 – Família

0:24 – Barragem da Bemposta

1:02 – Agricultura

1:25 – Comércio

1:41 – Escola

2:17 – Moagem

3:16 – Comércio

4:36 – Trabalho

4:44 – Casamento

5:07 – Marido (trabalho na Barragem)

7:05 – Diferenças na aldeia

7:27 – Eletricidade e iluminação

7:49 – Relação com Espanha

8:40 – Passagem da fronteira

9:01 – Espanhóis na aldeia

9:35 – Contrabando

10:40 – Alimentação

10:53 – Habitação

11:53 – Filhos

12:02 – Trabalho

12:40 – Agricultura

13:02 – Adubos/Estrume

13:29 – Mobilidade e deslocações

14:16 – Festas tradicionais

14:45 – Pauliteiros

15:37 – Caça e pesca

15:48 – Encomendação das Almas

17:03 – Músicas tradicionais

19:27 – Eletricidade e abastecimento de água

20:58 – Emigração

21:49 – Lema da aldeia