José Teixeira

José Teixeira nasceu em Urros em 1948 e saiu pela primeira vez da aldeia para fazer o liceu em Lamego e depois para o Porto para frequentar a universidade. Chamado para cumprir o serviço militar, foi para Moçambique, onde ficou depois de ser desmobilizado. Regressou a Portugal com o 25 de Abril, estabelecendo-se primeiro em Torre de Moncorvo e depois no Porto. O pai foi durante muito tempo o único habitante da aldeia que tinha automóveis, por isso transportava pessoas e mercadorias por toda a região. Chegou por isso a levar grupos de pessoas que pretendiam passar a fronteira a salto. Durante alguns anos na sua juventude participou em algumas atividades de contrabando. José Teixeira recorda-se com particular carinho do realejo espanhol que o pai tinha comprado a um desses contrabandistas.

01:05 – Tropa

01:19 – Regresso a Portugal

01:41 – Atividade profissional do pai

02:24 – Vida na aldeia

04:32 – Pai tinha o único automóvel da região

04:36 – Trabalho clandestino

06:59 – Negócio da amêndoa

09:09 – grupos de contrabando do avô e do pai

10:06 – Pai considerou emigrar para o Brasil

10:59 – Pai voltou para a aldeia, envolvendo-se no negócio da amêndoa e dos transportes

12:36 – Relação com a Guarda Fiscal e os Carabineros

13:07 – Relação com Espanha

15:09 – Negócio mercearia na aldeia

17:42 – Instrumentos musicais provenientes de Espanha

18:08 – Outros produtos provenientes de Espanha

20:42 – Vida na aldeia

22:17 – Pai fez transporte de pessoas para a passagem a salto da fronteira

28:55 – Barragem do Picote