Francisco Vilar Dias

Francisco Vilar Dias, nasceu na freguesia do Colmeal. Os seus pais dedicavam-se à agricultura. Esteve destacado em Moçambique e em 1976 concorreu à Guarda Fiscal. O seu percurso profissional na Guarda Fiscal começou em Lisboa. Desses tempos recorda o período em que esteve no aeroporto da Portela, na área dos passaportes, onde teve a oportunidade de se cruzar como vários políticos de relevo. Passou ainda pelo Porto, antes de ser transferido para Figueira de Castelo Rodrigo. Em 1993 passou para a Guarda Nacional Republicana. Descreve os diferentes serviços de fiscalização que desempenhou, a formação, as patrulhas na fronteira e o contrabando de gado, carne e tabaco, assinalando as diferenças entre o contrabando praticado durante o seu período de atividade na Guarda Fiscal e o contrabando praticado noutros tempos.

0:00 – Informação biográfica

0:58 – Despovoamento

1:12 – Agricultura e pastorícia

1:26 – Moagem e fornos para pão

2:01 – Arrendamento de terras

3:26 – Informação biográfica

3:36 – Ingresso na Guarda Fiscal

4:10 – Percurso na Guarda Fiscal

5:30 – Motivações de ingresso na Guarda Fiscal

5:54 – Contrabando: produtos contrabandeados

6:23 – Penalidades a aplicar e apreensões

7:03 – Pontos de passagem de contrabando

7:38 – Serviços de fiscalização

8:16 – Acompanhamento de transporte de mercadorias

8:53 – Fins da Guarda Fiscal

9:32 – Contrabando em Figueira de Castelo Rodrigo

10:06 – Formação na Guarda Fiscal

10:24 – Produtos contrabandeados

12:04 – Alimentação, abastecimento de peixe e produção para consumo

13:22 – Contrabando de “pana”

13:49 – Contrabando após o 25 de abril de 1974

13:58 – Laranjada de Espanha

14:27 – PIDE

14:51 – Diferenças entre a Guarda Fiscal e GNR

17:57 – Serviços de fiscalização e guias de trânsito para gado

21:06 – Patrulha da fronteira

22:14 – Despovoamento

22:29 – Melhorias nas condições de vida

23:05 – Percurso na Guarda Fiscal