Francisco Sebastião e Helena Martins

Francisco Sebastião é natural de Paradela, tal como toda a sua família. A casa onde habitava, com a família, não tinha boas condições, chegando a nevar dentro de casa. Frequentou a escola primária da aldeia, tendo concluído a então 4ª classe. Mais tarde, cumpriu o 12º ano. Os seus pais eram agricultores, tendo o pai emigrado para França. Tal fez com que as responsabilidades familiares recaíssem sobre Francisco, que, para complementar o rendimento familiar, com 12 anos, começou a fazer contrabando de café e peles, para Espanha. Relata as viagens que fazia, a pé, com medo dos Carabineiros espanhóis. Após o serviço militar, começou a trabalhar na Guarda Nacional Republicana, como mecânico automóvel. Recorda a pesca no Rio Douro e a caça, descrevendo várias espécies. Descreve as festas tradicionais da aldeia, que continuam a acontecer, anualmente.

0:00 – Partos

0:22 – Habitação

0:56 – Pais

1:01 – Emigração

1:22 – Contrabando

3:52 – Serviço militar

4:36 – Agricultura

4:41 – Bicicleta

5:29 – Cereais

7:18 – Estrume

8:08 – Animais

9:17 – Pesca

9:46 – Caça

12:12 – Abastecimento de água

13:31 – Escola

14:18 – Casamento

15:34 – Festas da aldeia

17:29 – Almoço dos emigrantes

17:49 – Emigração

18:00 – Nascimentos

18:11 – Alimentação

19:29 – Criação de animais

20:45 – Eletrificação

22:00 – Repressão política

22:52 – Guerra Civil de Espanha

23:51 – Fornos