Francisco Pinho Matos

Francisco Pinho Matos é natural de São João da Madeira e sempre trabalhou na indústria do calçado, passando da produção ao comércio. Recorda a dureza do trabalho dos sapateiros e problemas de postura e de calos que todos sofriam. Foram esses os motivos que levaram o seu irmão a começar a trabalhar na Oliva, onde fico até à reforma.
Considera que a abertura da fábrica significou, por um lado, uma inovação na cidade e, por outro, um fator de prestígio para os seus trabalhadores. Francisco começou a trabalhar aos 13 anos, com o pai, sapateiro, e a irmã, gaspeadeira.
O pai também trabalhou no cinema de São João da Madeira, Cineavenida, um dos primeiros da zona, uma vez que o trabalho de sapateiro era muito inconstante e mal pago.
Relata que, para receber o salário, qualquer trabalhador, independentemente da idade ou do posto, tinha de usar chapéu ao se apresentar à fábrica.
Já adulto, com 33 anos, Francisco abriu um negócio próprio de venda de material de calçado, como pregos, colas, peles e solas. A loja vendia tanto para sapateiros privados como para pequenas empresas familiares e grandes fábricas do sector.
Francisco sempre gostou do seu trabalho e do contacto com as pessoas e afirma que, se voltasse atrás, voltaria a fazer a mesma carreira.

0:00 – Informação biográfica
0:40 – Oliva
1:12 – Estigma sofrido pelos chapeleiros
1:41 – Estigma sofrido pelos sapateiros
2:20 – Apelo da Oliva
2:43 – Irmão, dureza do trabalho de sapateiro
4:10 – Entrada do irmão para a Oliva
4:47 – Prestígio da Oliva
6:40 – População de São João da Madeira
7:40 – Indústria de São João da Madeira
8:23 – Início da vida laboral
9:18 – Educação
10:14 – Cineavenida
11:48 – Início da vida laboral
12:40 – Negócio próprio
12:50 – Conhecimento da indústria do calçado
13:07 – Precariedade do trabalho de sapateiro
15:47 – Passagem para as fábricas
16:03 – Trabalho por conta própria
16:46 – Oliva e melhoria das condições de trabalho
17:03 – Dureza do trabalho de chapeleiro
17:55 – Quotidiano de trabalho – loja de material de calçado
18:51 – Indústria do calçado
20:05 – Indústria da chapelaria e uso do chapéu
23:27 – Negócio próprio
27:20 – Reforma
27:30 – Negócio próprio
29:06 – Retrospetiva
29:52 – Pais
31:28 – Irmãos
31:47 – Serviço Militar e Guerra Colonial