Francisco de Azevedo e Castro

Francisco de Azevedo e Castro é natural da Foz do Arelho, tal como toda a família. Tem relação com a Lagoa desde a infância, tendo lá aprendido a nadar. Ao longo da vida tem desenvolvido inúmeras actividades na Lagoa e, actualmente, tem um projecto de turismo-aventura com forte componente científica.

Estudou em Faro, mas sempre manteve a ligação com a região, tendo voltado a fixar-se na Foz do Arelho após acabar os estudos.

Aprendeu a apanhar marisco em adolescente, tendo sido mariscador durante as férias e, com os pais, fazia pesca ao candeio.

Vê com pena o fim da pesca ao candeio, que considera ser uma prática histórica merecedora de preservação. Lamenta o assoreamento da Lagoa, recordando os fundos de 8-9 metros.

Recorda corridas de barcos, que levaram à construção do cais.

Reconhece as potencialidades da Lagoa e espera que a futura legislação a proteja.

0:00 – Informação biográfica

0:08 – Relação com a Lagoa

0:47 – Recolha de memórias da região

1:48 – Projecto de turismo-aventura

2:16 – Merchandise da Foz do Arelho

2:52 – Apanha de marisco

3:22 – Memórias na Lagoa

4:18 – Defesa da pesca ao candeio

4:57 – Alterações na Lagoa

5:56 – Caça de patos

6:05 – Aves na Lagoa

7:08 – Melhoria nos níveis de poluição

7:22 – Potencialidade da Lagoa

8:19 – Construção civil

8:59 – Corridas de barcos na Lagoa

9:33 – Espécies de marisco

11:07 – Espécies de peixe

11:20 – Impacto da actividade humana e da poluição

12:19 – Dinâmica marinha e formas de protecção

13:04 – Acção da população e influência dos novos habitantes