Filisbina Fernandes

Filisbina Rosa Preto Fernandes nasceu em Constantim. O pai foi sapateiro, mas também se dedicou à lavoura e ao contrabando. Filisbina começou com 12 anos a contrabandear produtos para Espanha, levando inicialmente ovos e, mais tarde, sabão, aguardente, azeite e café. No regresso trazia, entre outros, peixe, pana, meias e chinelos, que vendia a quem os tivesse encomendado ou porta a porta nas aldeias mais próximas. Antes de atingir a maioridade emigrou a salto para Espanha, tendo vivido e trabalhado em Alcanizes durante vários anos. Relata episódios sobre as suas idas ao país vizinho, recorda os percursos percorridos, as estratégias usadas e a relação com a guarda fiscal e os carabineiros.

0:00 – Informação biográfica e familiar

5:38 – Condições de vida

6:10 – Contrabando: produtos e estratégias

7:14 – Escolaridade

7:20 – Pastorícia e condições de vida

8:15 – Informação biográfica

9:24 – Trabalho e acolhimento em Espanha

13:05 – Produtos contrabandeados

13:45 – Contrabando em grupo

14:27 – Produtos contrabandeados

15:39 – Escolha dos dias para contrabando

16:43 – Guarda fiscal e apreensão de géneros

17:10 – Produtos contrabandeados

17:42 – Venda dos produtos contrabandeados

18:23 – Perigos e exigências do contrabando

20:58 – Contrabando: travessia do rio

22:48 – Venda de peixe

23:30 – Relação com a Guarda Fiscal

28:34 – Rotinas e caminhos usados no contrabando

29:55 – Relação com a Guarda Fiscal

30:34 – Caminhos usados no contrabando

33:40 – Relação com Guarda Fiscal

34:16 – Contrabando em grupo e comunicação

34:46 – Trabalho no minério

36:23 – Informação biográfica