Fernando dos Santos

Fernando Andrade dos Santos é natural de Cucujães e começou a trabalhar na fábrica da Oliva em 1970, no sector mecânico. É a 5ª geração da família a trabalhar na empresa e o seu filho também chegou a ser funcionário na fábrica.
Passou por vários sectores da Manutenção e pelo cargo de Estafeta, trabalho em que tinha mais contacto com os escritórios e o sector administrativo. Tem memória da Revolução de 25 de Abril de 1974, dia que passou na fábrica. Apesar das convulsões que se seguiram, considera que a situação dos trabalhadores melhorou muito.
Destaca a relação de amizade entre os funcionários e considera que a Oliva, enquanto empregadora, era muito boa para os seus trabalhadores. Fernando era um dos empregados que beneficiava do sistema de transporte próprio da empresa.
Recorda com tristeza o último dia de atividade da fábrica, em 2011, lamentando o fecho da Oliva, que vê como uma escola e um ponto de enorme importância no desenvolvimento de São João da Madeira.

0:00 – Informação biográfica
0:08 – Entrada na Oliva
0:23 – Família
1:03 – Entrada na Oliva
1:14 – Prestígio da Oliva
1:30 – Produções
2:07 – Serviço militar
2:17 – Sector de Manutenção
2:44 – Trabalho de Estafeta
3:03 – Progressão de carreira
3:12 – Trabalho administrativo
3:36 – Serviço militar
3:56 – Garagem e frota
5:20 – Transporte de trabalhadores
5:36 – Importância e encerramento da Oliva
6:27 – Remuneração
7:12 – Mudanças e modernização
7:41 – 25 de abril de 1974
8:01 – Lutas laborais
8:33 – Melhorias nas condições laborais
8:47 – Incumprimento no pagamento de salários
9:49 – Estruturas de apoio aos funcionários
10:47 – Festa de Natal
11:43 – Fim de regalias
11:52 – Trabalho administrativo
12:11 – Aquisição de empresas
12:34 – Trabalho na Euromec
14:13 – Mudança para o sector de Tubos
14:47 – Trabalhadores
14:55 – Máquinas
15:17 – Sector de Tubos
16:09 – Encerramento do Sector de Tubos
16:42 – Relação com os colegas
17:11 – Importância da Oliva
17:40 – Retrospetiva