Fátima Magalhães

Maria de Fátima Magalhães é natural de São João da Madeira. Começou a trabalhar aos 11 anos, no sector do calçado, na fábrica de uma pequena empresa familiar e, mais tarde, na empresa Nicolaus. Entre as duas fábricas teve uma experiência muito diversificada no fabrico de sapatos, tendo passado por várias fases da produção. Sublinha que a formação era dada aos funcionários mais novos pelos mais velhos.
Por motivos financeiros, aos 14 anos começou a trabalhar na fábrica da Viarco. Recorda que, no primeiro dia de trabalho, teve um grande embate com o cheiro dos vernizes. Entrou para o sector de acabamento, na serigrafia a quente. No entanto, sempre procurou aprender mais, inclusivamente na manutenção de máquinas.
Destaca a boa relação entre os funcionários da fábrica, mas também destes com os membros da administração que, inclusivamente, lhe deram muito apoio pessoal e a deixavam estudar durante as horas de trabalho.
Fez parte do sindicato dos funcionários da fábrica, embora nunca tenha aderido às greves que foram convocadas.
Considera que a abertura para o mercado externo significou uma alteração na fábrica, no sentido em que a produção diminuiu muito, bem como a qualidade dos lápis.
Aos 22 anos mudou de empresa, para a Faurecia, do ramo automóvel, onde ficou até aos 27 anos.
Emigrou para Inglaterra durante 18 meses, tendo trabalhado na restauração, como baby-sitter e como mulher-a-dias, em simultâneo. Quando engravidou, em 2005, voltou, com o marido, para Portugal. Voltou a trabalhar na Faurecia e, mais tarde, voltou a trabalhar na Viarco. Para poder concluir o 12º ano, abandonou a empresa e formou-se no Centro de Formação de Calçado e, depois, em Esteticismo e Cosmetologia.
Atualmente trabalha como Esteticista, profissão que a realiza muito. Continua a considerar a Viarco como uma segunda casa, e os seus trabalhadores e administradores como uma família, que a apoiou e possibilitou que, hoje em dia, seja quem é.

0:00 – Informação biográfica
0:10 – Trabalho na indústria do calçado
1:17 – Aprendizagem e formação
1:30 – Trabalhadores
1:50 – Mudanças de emprego
2:07 – Remuneração
2:18 – Mudança e adaptação à Viarco
2:50 – Serigrafia e acabamento
3:55 – Produção
4:48 – Sectores da fábrica
5:21 – Rotação de trabalhadores
6:51 – Trabalhadores e distribuição por sexo
7:26 – Horário de trabalho
7:48 – Relação com os patrões
9:18 – Lutas laborais
10:40 – Sindicalismo
11:11 – Greves
12:01 – Trabalho no acabamento e embalagem
13:31 – Máquinas e aprendizagem
14:29 – Acidentes de trabalho
14:40 – Mercados deslocalizados (China)
15:59 – Condições de remuneração
16:08 – Redução da qualidade
16:54 – Ajuda da família Vieira Araújo
19:08 – Mudança para a Faurecia
19:30 – Trabalho de controlo de qualidade
20:08 – Trabalho na secção de corte
20:47 – Formação
21:02 – Emigração
21:41 – Trabalho em Inglaterra
22:28 – Retorno a Portugal
23:31 – Retorno à Viarco
24:46 – Saída da Viarco e retorno aos estudos
25:42 – Esteticismo e cosmetologia
25:56 – Negócio próprio
26:11 – Relação com a Viarco
26:52 – Importância da preservação do património da Viarco
28:51 – Trabalhadores e aprendizagem mútua