Deolinda de Pinho Oliveira Silva

Deolinda de Pinho Oliveira Silva (n.1953). Nascida em Cucujães. Trabalhou durante 31 anos na Empresa Industrial de Chapelaria, faltando ainda um mês para fazer os seus 10 anos quando começou as suas funções. Recorda que misturava o pêlo vindo da Cortadoria Nacional de Pêlo, destinado ao fabrico dos chapéus. Terminou a sua vida profissional no Museu de Chapelaria, no qual trabalhou durante 13 anos, fazendo visitas guiadas. Os seus pais também trabalharam na Empresa Industrial de Chapelaria, a mãe na secção de semussagem, o pai como apropriagista. O seu pai e o seu irmão mais velho passaram ainda pela empresa Vieira Araújo e Cª, Lda. Recorda os administradores americanos e como, na sequência do lançamento da série Dallas, começaram a receber muitas encomendas de chapéus de cowboy. Conta também o episódio por detrás da sua alcunha: “a pequena dos chapéus”. Considera que a Cortadoria Nacional de Pêlo foi importante porque passou a preparar o pêlo necessário para a indústria de chapelaria, substituindo um trabalho que era essencialmente manual e doméstico.

0:00 – Informação biográfica

0:07 – Percurso profissional

0:45 – Trabalho na Empresa Industrial de Chapelaria

1:03 – Pêlo como adubo para a agricultura

1:51 – Trabalho na Empresa Industrial de Chapelaria

1:58 – Relação familiar com a chapelaria

4:00 – Acabamento e conserto de chapéus em contexto doméstico

4:39 – Qualidade do pêlo e dos chapéus

5:23 – Uso do chapéu

10:19 – Importância da CNP para São João da Madeira

11:00 – Exportação de chapéus

11:09 – Empresa Industrial de Chapelaria: administração americana

13:44 – Trabalho no Museu de Chapelaria

16:46 – Importância do Museu de Chapelaria

20:37 – Memória sobre a alcunha “pequena dos chapéus”