Bernardino Preto

Bernardino Preto nasceu em Rio de Onor, filho de pai natural da aldeia, e de mãe espanhola. Cumpriu a então 4ª classe aos 15 anos, trabalhando na agricultura desde muito cedo. A família tinha plantações de linho, recordando todo o processo de produção do tecido. Para além disso, plantava centeio, para vender para fora. Lembra a produção de carvão pelos habitantes da aldeia, que era vendido em Bragança. Relata que, em Rio de Onor, não havia contrabando. No entanto, recorda-se de ver contrabandistas de outras aldeias que por lá passavam. Chegou a tentar emigrar, a salto, para França, contando todas as dificuldades que encontrou ao tentar passar as fronteiras, chegando, inclusivamente, a ser preso em Espanha. Trabalhou na fábrica da Sacor, em Bragança e, ao regressar para Rio de Onor, abriu a primeira mercearia com café da aldeia.

0:00 – Informação biográfica

0:27 – Escola

1:00 – Agricultura

1:12 – Serviço militar

1:23 – Casamento

1:30 – Habitação

2:48 – Linho

3:39 – Músicas tradicionais

3:53 – Centeio

4:58 – Carvão

5:20 – Comércio

5:37 – Carvão

6:04 – Mercearia

6:14 – Guerra Civil de Espanha

6:42 – Guerra Colonial

7:12 – Contrabando

8:00 – Emigração

15:55 – Trabalho em Bragança

16:38 – Filhos

17:06 – Mudança para Rio de Onor

17:35 – Alimentação

18:18 – Racionamento

18:39 – Guerra Civil de Espanha

19:54 – 25 de Abril de 1974 – Fronteira

22:32 – Eletricidade

23:00 – Artesanato

23:20 – Caretos

24:08 – Café

24:22 – Relação com Espanha

25:20 – Emigração