António dos Santos Neves

António dos Santos Neves é natural de Cucujães, Oliveira de Azeméis. Grande parte da sua família emigrou para a Suíça na década de 1970, devido às duras condições de vida em Portugal. O pai de António trabalhou na Oliva, o que fez com que António conhecesse a fábrica desde muito novo. António estudou no Curso Geral de Administração e Comércio e começou a trabalhar aos 9 anos, na Soinca, uma fábrica de brinquedos em Cucujães, durante as férias de verão. Aos 12 passaria a trabalhar, também na empresa, a tempo inteiro. Recorda a rotina de um dia de trabalho durante os três anos em que trabalhou na Soinca. Aos 15 anos, através do pai, António começou a trabalhar na Oliva, como tarefeiro. Descreve um dia habitual de trabalho e as condições que a empresa oferecia aos trabalhadores, como um posto médico permanentemente disponível. Recorda a extensa redes de agentes de que a Oliva dispunha, ao longo de todo o país, sendo o responsável pela comunicação, por carta escrita à máquina, com cada um. Assim, assistiu à modernização da empresa, com a introdução dos computadores. Recorda o processo de declínio da empresa, na sequência da qual negociou a rescisão amigável, algo que se tornou muito comum ao longo da década de 1980. Começou a trabalhar no sector do calçado, na fábrica da Armando Silva, onde trabalhou durante cerca de 30 anos, até à reforma. Considera que a Oliva tinha uma enorme importância para a indústria da região e do país, lamentando o seu encerramento. No entanto, coloca a situação da Oliva a par de muitas outras indústrias que não tiveram sucesso na região.

0:00 – Informação biográfica
0:15 – Família
0:59 – Emigração
5:36 – Integração em comunidades portuguesas
5:49 – Pais
6:03 – Oliva
6:54 – Educação e infância
8:30 – Trabalho na Soinca
12:13 – Trabalho na Oliva
18:38 – Ansiedade e ataques de pânico e trabalho de datilografia
19:54 – Máquina de escrever elétrica
20:52 – Trabalho de datilografia
22:52 – Oliva Comercial e trabalhadores
23:11 – Saída da Oliva Comercial
23:28 – Processo de declínio da Oliva
25:00 – Venda da Oliva à ITT e declínio da Oliva
25:50 – Importância da zona industrial para São João da Madeira
27:26 – Importância da indústria para a região e o país
28:53 – Alterações no tecido industrial e no emprego
29:42 – Trabalho na Armando Silva
33:33 – Trabalho da mulher (gaspeadeira)
35:11 – Fábrica Armando Silva
36:56 – Trabalho da mãe (doméstica)
37:23 – Agricultura e criação de animais
38:57 – Sustento e consumo
39:27 – “Trabalho de mão” na produção de calçado
41:47 – Sector do calçado