António Augusto Barbeiro

António Augusto Barbeiro é natural de Freixo de Espada à Cinta. O seu pai trabalhou na Barragem de Picote, mudando-se a família para Miranda do Douro. Terminado o trabalho em Miranda do Douro, o seu pai foi transferido para Bemposta, onde a família de António se fixou. António não quis prosseguir estudos, começando a trabalhar na Hidroelétrica Douro, aos 14 anos. Trabalhou na empresa até à reforma. Chegou a participar na construção da Barragem de Bemposta. Recorda a Hidroelétrica como uma empresa que dava boas condições de trabalho aos seus empregados, fornecendo, inclusivamente, alimentação e habitação. Relata a quantidade muito elevada de pessoas que se mudaram para a aldeia de Bemposta, aquando da construção da Barragem. Acompanhou o processo de venda da Hidroelétrica Douro à EDP. Considera que a construção da Barragem foi muito positiva para a aldeia, trazendo muitas melhorias de vida e oportunidades à sua população.

0:00 – Informação biográfica

0:16 – Barragem de Picote

0:53 – Miranda do Douro

1:17 – Mudança para Bemposta

1:51 – Trabalho

2:08 – Construção da Barragem da Bemposta

3:10 – Trabalho

4:09 – Habitação

4:58 – Acolhimento na aldeia

5:13 – Condições de vida

5:28 – Tabernas

6:03 – Trabalho do pai

6:26 – Trabalho

7:31 – Barragem da Bemposta

8:06 – Trabalhadores na aldeia

8:21 – Escolas

8:47 – Habitação operários

9:31 – Empresas envolvidas na Barragem

10:17 – Equipamentos operários

13:25 – Passagem para a EDP

14:21 – Comboio

14:53 – Mobilidade

15:16 – Habitação operária

16:55 – Ligação à aldeia

17:21 – Preservação da natureza

17:42 – Quantidade disponível de água

18:56 – Trabalho

19:05 – Serviço militar/Guerra Colonial

22:49 – Formação

24:35 – Trabalho

26:48 – Alterações em aspetos técnicos da barragem

28:15 – Controlo de qualidade

28:32 – Acidentes com pessoal

28:56 – Trabalho

29:45 – Reforma

30:11 – Relação entre colegas

30:51 – Isolamento

31:24 – Relação com Espanha

32:55 – Fronteira

34:26 – Emigração

32:11 – Relação com a aldeia

35:51 – Músicas e bailes

36:00 – Festas tradicionais

37:26 – Igreja

37:39 – Conflitos com a população

38:25 – Pesca

39:39 – Relação com a Barragem