Aníbal Pereira Casimiro

Nascido em 1937 e natural do Nadadouro, Aníbal Pereira Casimiro foi pescador profissional, tendo passado pela Escola de Pesca de Lisboa em 1956/57. Conhecedor da Lagoa de Óbidos, tece algumas considerações relativas às consequências ambientais resultantes da atividade industrial das proximidades e debruça-se sobre os problemas relacionados com a pesca. Dá ainda conta de como deve ser preparada a Caldeirada de Enguia (e de enguia só), e traça a imagem que guarda do Canadá, país para o qual emigrou, regressando em 1997, e onde ainda hoje vivem os seus filhos.

00:00 – Nascimento no Nadadouro, antes da localidade se tornar freguesia

00:27 – Passagem do Nadadouro a freguesia, em 1959

00:39 – O trabalho na Lagoa d’Óbidos durante a infância

01:31 – A construção de barcos e a passagem pela Escola de Pesca de Lisboa em 1956/57

02:06 – O impacto da indústria na Lagoa – referencia a Fábrica do Sabão

02:43 – O impacto dos químicos – a ausência de lodo

03:31 – As aves

04:19 – O pagamento da dízima sobre o pescado, o selo da sela marítima e o selo da Casa dos Pescadores

04:56 – As restrições aos pescadores – (refere passagem pelo Canadá) – e o preço anual dos seguros

05:46 – Diferenças na Lagoa: profundidade – (refere que os peixes desovavas no Braço da Barrosa e andava pelo Braço do Bom Sucesso)

06:30 – O açoreamento da Lagoa – problemas em torno da abertura e fecho da Lagoa

07:05 – Iniciativas de pescadores para fazer a abertura da Lagoa

07:44 – A falta e a necessidade de um cais e de estruturas que facilitassem o trabalho aos pescadores

08:26 – Legislação relativa aos utensílios dos pescadores – bóias e redes 10:28 – A cédula marítima em 1956

10:45 – A ausência de profissionais da pesca aquando do seu nascimento

11:02 – Os doze anos de mar alto

11:28 – Os oito anos como mestre de redes

11:48 – A emigração para o Canadá, com a família, em 1973, e o regresso, em 1997

12:12 – A Casa do Pai em frente às Salinas

13:14 – As portas sem fechaduras

13:46 – As espécies mais apanhadas – enguia, linguado e robalo (e as douradas, embora mais escassas)

14:57 – As épocas e horas de peixe na Lagoa

15:28 – Outros peixes – alguns vindos do mar

15:53 – A caldeirada de enguia e a sua especificidade

16:57 – Outras caldeiradas – sardinha, dourada, etc.

17:28 – Os peixes que já desapareceram – diferenças nas qualidades e quantidades

18:55 – Técnicas de pesca – a nassa

20:37 – As nassas para as tainhas, linguados e robalos

21:26 – Agricultura e pesca/dia e noite

22:37 – A venda do peixe na praça das Caldas

23:32 – As práticas agrícolas

24:06 – Os problemas de abuso dos recursos da Lagoa

25:30 – A imagem do Canadá

26:44 – A venda da casa no Canadá e as filhas e genros que ainda lá residem

27:20 – O passeio à volta da Lagoa depois da chegada do Canadá