Abílio Martins

Abílio Martins nasceu em Bemposta e dedicou-se ao contrabando durante alguns anos enquanto solteiro. Trabalhou como carpinteiro na barragem de Bemposta e em Espanha, aproveitando nessas passagens para levar café e outros produtos que lhe pudessem trazer um rendimento extra. Tinha 17 anos quando passou pela primeira vez, trazendo bacalhau, raia e polvo seco, e levando o café que comprava nos mercados e tabernas da aldeia. Mais tarde começou a dar apoio na Casa do Povo, deixando definitivamente o contrabando. Refere alguns dos carreirões usados naquela altura.

00:09 – Contexto familiar

00:52 – Trabalho de carpinteiro do pai

01:19 – Atividade de moleiro do pai

01:33 – Funcionamento do moinho

02:10 – Trabalho de carpintaria

02:30 – Trabalho nas barragens da Bemposta e do Picote (pai)

02:50 – Trabalho na barragem da Bemposta (entrega de mantimentos e carpintaria)

03:03 – Trabalho nos serviços da Segurança Social

04:10 – Trabalho na barragem de Almendra

04:48 – Passagem do rio

04:54 – Episódio sobre o contrabando

07:17 – Duração das travessias

07:38 – Percursos ou carreirões mais utilizados

08:12 – Passagem do rio

09:15 – Relação com a Guarda Fiscal

10:21 – Produtos contrabandeados

12:19 – Dissimulação dos produtos contrabandeados

13:29 – Contrabando para consumo doméstico

14:45 – Relação com Espanha

15:24 – Acidentes no rio

15:43 – Passagem do rio – sistema de cordas

16:06 – Contrabandistas espanhóis

16:31 – Passagem “a salto”

17:11 – Impacto das barragens

17:28 – Contrabando de bacalhau

19:11 – Contrabando de carne

20:01 – Relação com a Guarda Fiscal

20:20 – Produção agrícola

21:17 – Produtos contrabandeados

21:53 – Relação com Espanha

22:19 – Trabalho na barragem espanhola – quotidiano e tarefas