SOBRE

MEMÓRIA PARA TODOS é um programa de investigação empenhado na promoção do estudo, organização e disseminação do património histórico, cultural e tecnológico de Portugal, transversal às diversas áreas de investigação do IHC, desenvolvido em estreita relação com arquivos, instituições, municípios e autarquias, escolas e associações locais.

MISSÃO

Tem como missão a democratização do acesso às ferramentas da investigação histórica, a promoção de dinâmicas colaborativas de investigação, a produção e disseminação de conhecimento e criação de novas fontes para a investigação histórica, centrando-se nas dinâmicas sociais da construção da memória, enquanto factor essencial para a definição de identidade.

OBJECTIVOS

MEMÓRIA PARA TODOS convoca todos os cidadãos a partilhar as suas memórias pessoais e familiares relativas a determinados momentos e processos históricos, estando neste momento em desenvolvimento os projectos Portugal 1914-18, Memórias da Revolução, Memórias da Resistência e Liberdade (em parceria com o Museu do Aljube), Memória das Avenidas e Memórias de São Domingos de Benfica, que adoptam metodologias diferentes consoante as estratégias científicas exigidas.

Os conteúdos reunidos (como objectos, fotografias, testemunhos áudio e vídeo, sons e outros registos) com a participação e envolvimento dos cidadãos e instituições são disponibilizados on-line em acesso aberto.

ESTRATÉGIAS DE ENVOLVIMENTO

Os projectos que integram o programa recorrem a estratégias de envolvimento diferentes consoante os seus objectivos específicos. Os Dias da Memória são uma iniciativa comum a todos os projectos, que toma como modelo os Community Collection Days desenvolvidos pelo projecto Europeana 1914-1918 e que permite reunir um maior número de registos num curto espaço de tempo, contando com a colaboração de investigadores do IHC. Estas iniciativas permitem identificar, registar e organizar de forma sistemática, testemunhos e espólios familiares que são, muitas vezes, complementares aos arquivos institucionais, ao mesmo tempo que envolvem os protagonistas da História na sua construção.

DIAS DA MEMÓRIA realizados:

Memórias da Grande Guerra:

Memórias da Revolução:

  • Quartel do Carmo (2015)
  • Loures (2017)

Memórias da Resistência e Liberdade:

  • Museu do Aljube (2016 e 2017)

Memórias das Avenidas Novas:

  • Livraria Municipal de Lisboa (2016)

Memórias da Polícia de Segurança Pública:

Dias da Memória da Fábrica de Móveis Olaio (2016)

Dias da Memória de Campo Maior (2016)

EXPOSIÇÕES

Memória das Avenidas, Espaço Picoas (Setembro de 2016 a Fevereiro de 2017)

Memória das Avenidas — A Rua é Sua, Av. Duque d’Ávila (Fevereiro de 2017)

Memórias de São Domingos de Benfica (Junho a Setembro de 2017)

CONFERÊNCIAS E PALESTRAS

Ciclo Cidade e Memória das Avenidas (2016 e 2017)

O Ciclo Cidade e Memória das Avenidas Novas integrou o projeto Memória das Avenidas, contemplando diferentes abordagens acerca da cidade, promovendo um espaço de encontro e partilha que contribua para uma leitura transversal e pluridisciplinar dos processos de transformação das paisagens urbanas.
Propondo diferentes visões e entendimentos da história da freguesia, o programa promoveu visitas guiadas a espaços emblemáticos da cidade, estimulando a partilha de memórias do quotidiano e o enquadramento de perspetivas teóricas do contexto social e cultural desta unidade urbana, a par com uma reflexão continuada acerca do papel da memória na construção da identidade local e da realidade social.

Sessões realizadas:

Deixe uma resposta