Rui Esteves

SINOPSE

Rui Esteves foi aluno do Instituto de Alta Cultura, que funcionava no Teatro Nacional de São Carlos, onde teve contacto com a Ópera.
Foi assistente de Edite Moutinho, que lhe possibilitou um maior contacto com a Ópera e com vários cantores de renome.
Trabalhou na RTP2, que lhe permitiu aprofundar o conhecimento sobre a arte.
Como Assistente Musical e de Cena trabalhou com o maestro Mario Pellegrini, onde aperfeiçoou a técnica de canto lírico através do contacto com grandes cantores.
Conheceu profundamente o Teatro Nacional de São Carlos, que lhe permitiu aperfeiçoar a primeira transmissão em directo de uma ópera na RTP2.
Congratula a progressiva democratização do espectáculo de ópera, considerando, no entando, essencial a educação desde o início do público.
Para além da ópera, interessa-se pelo bailado clássico, que considera complementar à primeira.
Considera essencial, para uma boa transmissão televisiva, que permite fazer a ópera chegar a um maior público, que o Assistente Musical e de Cena tenha formação musical.

0:00 – Primeiro contacto com o TNSC
0:15 – Formação no Instituto de Alta Cultura
1:10 – Experiência como assistente de Edite Moutinho
2:03 – Inicio do trabalho na RTP
2:30 – Diferenças na Ópera ao longo do tempo
3:00 – Trabalho como Assistente Musical e de Cena
4:03 – Contacto com grandes figuras da Ópera
4:34 – Contraste entre os cantores de então e os cantores actuais
5:42 – Impacto do trabalho no TNSC no seu trabalho televisivo
6:44 – Primeira transmissão televisiva de ópera
7:08 – Peripécias durante a primeira transmissão
8:50 – Diferenças na ópera antes e depois da Revolução de 25/4/1974
9:48 – Sobrevivência do espectáculo de ópera
10:37 – Elitismo e democratização do TNSC
12:23 – Interesse pela música
14:30 – Conjugação com o interesse por bailado
15:05 – Momentos musicais de destaque
17:33 – Papel da televisão no espectáculo de ópera

Deixe uma resposta