Maria da Graça Gambino, Maria Gabriela Rosado, Maria do Carmo Jorge e Leonor Boavida

SINOPSE

Maria da Graça Gambino, Maria Gabriela Rosado, Maria do Carmo Jorge e Leonor Boavida são todas moradoras da atual freguesia das Avenidas Novas, embora originárias de vários pontos do país. Todas recordam a alteração da toponímia das ruas do Bairro do Rego e a construção da estação ferroviária de Entrecampos. Assistiram às grandes alterações nas avenidas, principalmente do comércio com o desaparecimento dos vendedores ambulantes e das mercearias. Todas assistiram à construção da Gulbenkian e do Hospital de Santa Maria

Maria da Graça Gambino veio para o Bairro de Santos, no Rego, com 12 anos para frequentar a Escola António Arroio, instalada no edifício do actual Liceu Camões. Ainda vive na mesma casa. Trabalhou num atelier de pintura durante 10 anos e, depois, foi desenhadora do Ministério da Economia, na Avenida João Crisóstomo, durante 30 anos. Actualmente é mestre de pintura de um grupo, do qual todas são parte. Lembra o bairro com grande vida e convívio dos moradores, ao contrário da situação actual. Refere que a ponte de passagem da linha ferroviária é uma limitação para os moradores, isolando-os, considerando-a “uma solução de quem não mora no bairro”.Frequentava a antiga Feira Popular, que se lembra de, antes, ser um Jardim Zoológico.

Maria Gabriela Rosado veio para Lisboa com 7 anos. Foi recepcionista da Residencial D. José durante 30 anos. Lembra a Avenida da República repleta de vivendas e chalés.

Maria do Carmo Jorge nasceu no distrito de Castelo Branco e, vindo para Lisboa, viveu na antiga Rua J, agora Veloso Salgado. Trabalhou numa empresa de produtos farmacêuticos, inicialmente nas vendas internacionais e depois no departamento de recursos humanos, durante 40 anos. Lembra que a estação do Rego servia tanto passageiros como mercadorias. Era frequentadora assídua do Cinema Bélgica, mas não do Rock Rendez Vous, e participava nas celebrações de Santo António no Bairro do Rego.

Leonor Boavida veio morar para Lisboa nos anos 60, já casada e com filhos, quando o marido veio trabalhar para o Ministério da Economia, para a Avenida Manuel da Maia inicialmente, depois para o Bairro do Rego. Foi doméstica durante toda a vida.

FICHA DE ENTREVISTA

Entrevistado: Maria da Graça Gambino, Maria Gabriela Rosado, Maria do Carmo Jorge e Leonor Boavida
Entrevistador: Luisa Seixas e Mariana Castro
Edição de vídeo: Ana Francisca Bernardo
Data entrevista: 15 de abril de 2016

Deixar uma resposta