Heitor Ferreira

“As máquinas de guerra. O retrato de uma guerra que não foi só colonial”

Heitor Ferreira, filho de Manuel Pinto Ferreira – o militar que se encontra na imagem abaixo – não quis deixar de partilhar uma breve reflexão sobre as suas memórias da guerra colonial, uma guerra que só conheceu anos mais tarde, pelas consequências que esta ditou no plano familiar, na vida e na saúde do seu pai.
Heitor tem vagas recordações do pai. Aquilo que conhece do seu passado militar foi-lhe transmitido pela família e é sobre a fotografia que nos enviou que vai referindo um pouco do seu percurso até à revolução.
Manuel Pinto Ferreira terá participado na guerra de Goa, em 1961, que pôs fim ao domínio português em vários territórios indianos, tendo partido posteriormente para Timor, onde se supõe que esta fotografia tenha sido tirada, entre 1965 e 1968. Mas, foi já em Angola, mais precisamente em Luanda, que conheceu a dura realidade de uma guerra que, nas palavras do seu filho, o terá transformado numa verdadeira “máquina de guerra”.
Para Heitor é importante que os portugueses não tenham medo de olhar para este período da História. Na sua perspectiva, “são os efeitos da guerra que por vezes não se fala e que continua ainda a criar problemas às famílias portuguesas”.

Relator: Heitor Ferreira
Autor: Heitor Ferreira; Filipe Guimarães Silva

Fotografia de Manuel Pinto aquando da sua passagem por Timor.

Deixe uma resposta