Fernanda Carvajal

SINOPSE
Fernanda Carvajal nasceu em 1944, na Graça. Entre 1952 e 1971 viveu na Conde de Valbom. Tendo habitado as Avenidas Novas ao longo da vida em diversos locais. Recorda o Cinema Aviz, a configuração do bairro com prédios mais baixos, muito diferentes dos que existem agora.
Refere venda de perus junto ao chafariz, que ia observar com a empregada; vendas ambulantes diárias como a peixeira, o leiteiro, o padeiro, que forneciam os habitantes em casa, que não tinham frigoríficos; as lavadeiras que recolhiam a roupa a casa. Progressivamente o comércio foi-se instalando no rés-do-chão dos prédios — mercearias, drogarias, retrosarias e lojas com alguns tecidos a metro. Refere uma infância muito diferente para rapazes e raparigas, tendo passado mais tempo dentro de casa. Frequentava, entre outros locais, a feira popular e o jardim botânico.
A família empregou uma mulher a dias Timorense que acompanhou a família durante algum tempo.
Estudou em casa até à 3ª classe, a 4ª classe fez no Colégio D. Filipa de Lencastre e depois o exame de admissão ao Liceu. Frequentou ainda a Lusitânia feminina no Arco do Cego. Trabalhou no Ministério da Educação nos anos 1960 e no Instituto Nacional do frio em 1977-78, data da inauguração.
Refere casas de diferentes tamanhos, a morfologia do bairro, a separação pela linha do comboio e seus contrastes. Iam ao mercado do lado do Bairro do Rego.
Frequentava a Gulbenkian de forma assídua, tendo acompanhado a sua construção. Casou com o seu primeiro marido em 1965, depois se terem conhecido num café do Bairro, casando depois também com um morador do bairro.

FICHA DE ENTREVISTA
Entrevistado: Fernanda Carvajal
Entrevistador: Filipe Silva, Inês Castaño e Sofia Diniz
Edição de vídeo: Miguel Ferrão
Data da entrevista: 11 de Dezembro de 2015

OUTROS DOCUMENTOS
1 fotografia (frente e verso) de casamento de familiares na Igreja de Fátima, 1951.

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

barra-de-logos-memoria

Deixe uma resposta